Segundo matéria publicada no Portal Terra, existem 575 mil pessoas físicas em atividade na Bolsa. O número é bastante expressivo, já que há 15 anos eram apenas 85 mil.

Sabemos que todo o investidor iniciante pode acabar se deparando com centenas de opções de aplicações. Contudo, antes mesmo de saber no que investir, é importante que ele saiba qual é a melhor instituição para realizar seus investimentos. Tanto os bancos quanto as corretoras possuem vantagens e desvantagens.

Neste texto, você descobrirá qual a melhor alternativa: investir em banco ou corretora. Acompanhe!

Qual é a melhor instituição para investir?

Investir em bancos

A primeira coisa que você deve saber é que os produtos disponíveis são, em sua maioria, da própria instituição. Isto é, categorias de renda fixa (CDBs, LCIs, LCAs etc), fundos de investimentos, entre outros que possuem a marca do banco.

Dito isto, uma das maiores vantagens é que o cliente terá mais comodidade, por exemplo, não é necessário realizar transferências para outra conta quando precisar fazer uma aplicação.

Diferente das corretoras, em que é preciso repassar o dinheiro para uma conta específica e, muitas vezes, pagar uma taxa para realizar essa ação.

Por outro lado, como os bancos têm um volume maior de clientes, eles não se preocupam em oferecer muito suporte. A assistência disponibilizada é a do gerente e, nesse contexto, o que é concedido tem a intenção de ajudar o banco a vender o produto.

Investir em corretoras

Por serem instituições com muitas funções e, de certa forma, de atuação independente, diferente dos bancos, os produtos oferecidos são mais diversificados, já que a corretora trabalha com várias financeiras.

Com isso, o investidor terá acesso a aplicações de renda fixa e variável com taxas mais em conta do que as fornecidas pelos bancos. Ainda, as corretoras tendem a cobrar valores bem menores. Inclusive, algumas até oferecem isenção de tarifas para suas aplicações.

Em termos de rentabilidade elas possuem mais vantagens, justamente por trabalharem com diferentes instituições. É possível encontrar CDBs que pagam acima de 110% da CDI e LCIs que oferecem 90% da mesma. Essas opções são para todos os tipos de clientes, não apenas para os que possuem muito dinheiro, como ocorre nos bancos.

Mas preste atenção: apesar de taxas mais baixas, as corretoras ainda cobram tarifas de corretagem. No caso de assistência, elas costumam disponibilizar assessoria para investimentos. Geralmente, o cliente tem a sua disposição um agente autônomo que o auxiliará a escolher qual é o melhor investimento para o seu objetivo.

Conclusão

De forma geral, para quem já tem uma boa quantidade de recursos, tanto faz investir em bancos ou corretoras. Em ambos, o investidor terá um bom atendimento, muitas opções de investimentos e as menores tarifas.

Contudo, para os aqueles com pouca renda, é melhor aplicar em corretoras, pois, além de fornecerem mais alternativas, ainda têm taxas mais interessantes.

Destacamos ainda que nem bancos, nem corretoras podem te ajudar se você não sabe no que investir. É preciso ter um plano de investimento e saber bem qual é o seu objetivo para não sair perdendo.

E aí, já decidiu se investir em banco ou corretora? Quer continuar recebendo conteúdos como este? Então, assine a nossa newsletter e não perca mais nenhum post!